Cuidado com o alvejante – o perigo das misturas

Alvejante, cloro, água sanitária, clorofina, cândida, candura, Q-boa, lixívia, água de lavadeira, água de javelle, vários são os nomes usados para falar de um mesmo produto. Embora haja alguma confusão com os nomes, todas essas palavras se referem popularmente a uma solução de hipoclorito de sódio e água (o que é mais comum no uso doméstico), e é um produto eficaz mas potencialmente perigoso.

Particularmente eu evito usar produtos à base de cloro, é cada vez mais raro mesmo, por questões de saúde e por achar que existem outros produtos potencialmente menos perigosos de se usar que dão conta do recado nas limpezas domésticas.

Vantagens e usos

Baixo custo, eficaz na desinfecção, fácil de usar, atua como alvejante (branqueia), purifica a água (na dose correta), não-inflamável e usado na higiene de alimentos. 

É um produto muito usado nas limpezas pelas donas de casa, provavelmente por ser barato e por se acreditar que é um produto muito eficaz e multiuso. O problema é que raramente lê-se o rótulo (quando existe)  ou segue-se as recomendações do fabricante com relação ao modo de usar, dose, como armazenar…

Normalmente o alvejante para uso nas limpezas domésticas é vendido nos mercados como uma solução de 2,0 a 3,0 % de hipoclorito de sódio no momento da fabricação. Pode variar a concentração de uma marca para outra, e é importante lembrar que com o tempo de exposição nas prateleiras essa solução pode ficar mais fraca.

Desvantagens e mau uso

Não pode ser misturado a nenhum outro produto de limpeza (ácidos, água oxigenada, urina, amônia…) pois isso gera gases tóxicos, perigoso se utilizado em excesso, reage com compostos orgânicos, o contato com os olhos ou a pele pode provocar irritações e pode ser letal se ingerido.

Algumas pessoas optam por comprar uma versão mais concentrada vendida normalmente sem rótulos por produtores independentes (clandestinos) onde não se têm nenhum tipo de controle, e se houver excesso de cloro pode ser ainda mais tóxico, ou se for de baixa qualidade pode não ser eficaz para o que a pessoa precisa. 

No meu tempo de escola nunca fui boa aluna em química, infelizmente, mas com pesquisas e experiência própria sei que produtos à base de cloro não podem ser misturados com produtos que contenham amônia, água-oxigenada ou mesmo aplicar sobre respingos de urina porque pode formar vapores tóxicos. Dependendo da quantidade e da concentração podemos não só sentir o odor forte e sufocante mas ver uma fumacinha branca como resultado dessa mistura. Um perigo para a saúde!

 

Um texto do site UOL Mulher dizia assim:

Outra mistura bastante comum é a da água sanitária com amaciante de roupas.  “Juntos, os componentes destes dois produtos liberam cloroaminas, gases facilmente aspirados e absorvidos pelo corpo” . As consequências vão desde irritação na pele e nos olhos até sangramentos e danos severos no fígado e nos rins. 

Muitos acidentes domésticos envolvendo intoxicação com produtos de limpeza acontecem por causa de produtos à base de cloro. As mulheres e crianças pequenas, que normalmente passam mais tempo em casa, são as mais suscetíveis. 

Esteja atenta ao uso do alvejante em sua casa, muito cuidado com as potenciais misturas que podem, ao invés de simplesmente limpar, intoxicar seu lar. 

No vídeo abaixo eu falo mais um pouquinho sobre esse tema. 


  

Se optar por usar produtos à base de cloro, que seja com segurança. Caso queira alternativas mais naturais, veja nossa lista de vídeos com dicas de limpadores caseiros.

Em caso de acidente com alvejante ou qualquer outro produto de limpeza entrar em contato com o Centro de Informações Toxicológicas da sua região. Veja a lista no site da Anvisa. Ou ligue para o Disque-Intoxicação 0800-722-6001.

Cuidem-se!

Renata Marques

Coisas que dizemos ao receber visitas

A vida de uma dona de casa inclui visitas. Oh, como é gostoso receber visitas, ainda mais uma visita amistosa, naquela hora mais sossegada do dia, conversar calmamente, ter um tempinho de convívio e uma oportunidade de mostrarmos nosso empenho e dotes culinários… Só que nem sempre a visita corre tão bem como imaginamos, e muitas vezes vestimos a máscara da boa etiqueta, agimos e falamos coisas que não era realmente o que gostaríamos de dizer. 

A seguir, uma perspectiva com um toque de humor em TPM sobre a etiqueta ao receber visitas de cerimônia. 

O que queremos dizer quando dizemos…. 

Você diz: Não repara a bagunça tá?

Tradução: Pode reparar que a casa tá um brinco, caprichei hoje.

Quantas vezes já dissemos ou ouvimos essa frase? Muitas vezes é dita na intenção de realmente se desculpar pela casa estar um tantinho desarrumada. Outras vezes é a força do hábito, a casa está um brinco e ainda assim a pessoa diz para não reparar na bagunça, o que faz com que você pense que a dona da casa tem TOC, mania de limpeza da braba, ou então você é uma pessoa tão desleixada que nem consegue perceber onde está a bagunça.

Entre, a casa é sua!    

Entre, mas por favor, controle seus irrequietos filhos.

Ah gente, as crianças são uma bênção, mas quando são visitas… costumam ser um tantinho temperamentais. Nos primeiros 5 minutos ficam com vergonha e sentadinhos, uma maravilha, dá até para tirar foto e postar no instagram. Passados os minutos iniciais acabou a conversa relaxante com os pais e de repente nos vemos no meio de uma conversa caótica onde num minuto estamos com uma xícara na mão e noutro minuto com café na roupa. 

Não, não precisa tirar os sapatos!

 Claro que tem que tirar os sapatos, passei a manhã toda limpando o chão!

Tem horas em que preferiríamos morar no Japão, onde todos ordeiramente tiram os calçados quando entram em casa. Não que a pessoa tenha mania de limpeza, mas alguns sapatos dão vontade de colocar uma pantufinha descartável, igual aquelas dos museus, né não?

Aceita um copo d’água, drink, suco ou café?

Aceita um copo d’água? Suco não tem e esqueci de comprar pó de café. 

É fato, se você oferecer alguma coisa que não tenha em casa é exatamente isso que a visita vai querer. Você tem chá, vinho, leite, refrigerante…. mas a visita vai aceitar o tal do cafezinho que você jura que colocou na lista mas o marido esqueceu de trazer (claro, culpar o marido sempre é credível). 

Não tem problema não ter avisado que vinham com mais 5 pessoas.

Ahhhhh, mais 5 pessoas?!

Surpresas são sempre bem vindas? Nesse caso acho que não. Você se prepara culinariamente (e psicologicamente) para uma família de 3 pessoas vem o clã todo, primo de 3º grau inclusive. A vontade é de surtar, mas na verdade você corre no telefone e liga para o disk qualquer comida e pede cadeiras emprestadas com a vizinha. 

Claro que não faz mal ter trazido seu cachorro.

O cachorro não morde mas solta pelo que é uma beleza né?!

Eu amo animais, mas sinceramente, levar cachorro para visitar a casa de alguém é coisa de sogra. 

Não preciso de ajuda não, depois lavo a louça.

Sim, pode lavar a louça, se quiser tenho roupa pra passar também!

Em alguns países são as visitas que lavam a louça, não tem nem convite nem conversa, faz parte da etiqueta e da cultura. Importamos tanta coisa do estrangeiro, mas essa cultura ainda não. Por quê?!

 E como é por aí?

Abraços, 

{Renata Marques}

 

A importância de saber fazer tarefas domésticas

Muitas mulheres (acreditem) orgulham-se de não saberem cozinhar um ovo, ou não saberem lavar a roupa ou qualquer tipo de tarefas domésticas. Da mesma forma homens também falam sem vergonha nenhuma que não sabem manusear o ferro de passar ou diferenciar batata de inhame. 

As tarefas domésticas são vistas como indignas

Ao meu ver as tarefas domésticas deviam ser uma questão de sobrevivência, todos deviam aprender e desde cedo. No meu tempo de escola (anos 80) até tinha uma disciplina na escola chamada Educação para o Lar, onde algumas coisas básicas eram ensinadas, como pregar botão, fazer um bolo, enfim, os cuidados domésticos. A tal disciplina foi extinta faz tempo e eu nunca cheguei a frequentar por uma questão alfabética. Mas a verdade é que cada vez os mais jovens não sabem realizar minimamente as tarefas domésticas, e não é só porque não se ensina nas escolas. Criou-se uma cultura de que o serviço doméstico é degradante, humilhante, algo que só pessoas sem “cultura” ou escolaridade devem fazer. E não algo que proporciona bem estar e independência. 

Meus filhos não sabem fazer nada

É bem comum ouvirmos queixas de pessoas dizendo que o filho ou filha adolescente não ajuda em nada em casa, que não cuidam nem do seu quarto ou roupa. Mães que vão trabalhar e ao chegar em casa os filhos que passaram parte do dia em casa não foram capazes de recolher a roupa do varal, enfim, os exemplos são infinitos.  E quando esse filho, seja moça ou rapaz, sai de casa seja por estudo, casamento ou opção, está totalmente despreparado para “curtir” sua independência. 

De onde vem o problema?

Da infância, claro.

- Você deixa seu filho de 3 anos fazer a própria cama?

- Claro que não! Ele deixa os lençóis mal esticados!

- Você autoriza seu filho de 6 anos a lavar a louça do café da manhã?

- Aff, nem em sonhos. Ele vai quebrar as xícaras e cortar a mão nas facas.

- Você permite que seu filho de 7 anos prepare seu próprio lanche?

- Nem pensar! Ele poderia explodir o microondas ao tentar esquentar o leite.

- E seu filho de 12, você deixa ele fazer um ovo mexido?

- Claro que não, imagina que lambança que ficaria meu fogão!

Todos podem aprender

Então, por que será que os adolescente e jovens não sabem realizar as tarefas domésticas? Pense bem, bebês com 24 meses manuseiam sem nenhum embaraço equipamentos eletrônicos super sofisticados, acha mesmo que essa mesma criança não seria capaz de ordenar seus brinquedos numa prateleira? Ou que uma criança de 10 anos que estuda oito matérias na escola mais um cursinho de inglês não é capaz de operar uma simples máquina de lavar roupas? Ou que um adolescente que faz manobras radicais em um skate e consegue fazer um delineado gatinho sem tremer a mão não seria capaz de pregar um botão na camisa? 

Uma questão de sobrevivência

Acreditem, eles são capazes, nós (mães e pais) é que os impedimos, atrapalhamos seu desenvolvimento saudável quando não os ensinamos para a vida. Fazer as tarefas domésticas não deveria ser considerado algo indigno ou serviçal, mas algo essencial para a vida! Mesmo que no futuro seus filhos sejam adultos que por questões pessoais ou profissionais tenham algum empregado responsável por essas tarefas, só pelo simples fato de terem tipo a oportunidade de aprenderem a fazer as tarefas,  eles vão ser melhores patrões, que reconhecem e valorizam o trabalho que dá manter uma casa aconchegante, limpa e funcional.

 Obs: Texto ecrito por uma pessoa que teve que aprendender as tarefas domésticas na marra quando saiu de casa para estudar em outra cidade aos 19 anos.  E não, não era rica, nem tinha empregada, a mãe simplesmente fazia tudo sozinha, talvez seguindo a cultura da época…

Abraços, 

{Renata Marques}

Comece a se organizar desde janeiro

Oi gente. Em primeiro lugar quero dizer que esse post é feito sob encomenda para mim mesma. Entretanto espero que possa ser útil para você também. Todo ano é a mesma coisa, eu penso em me organizar o ano todo, mas… acabo esbarrando nas minhas próprias dificuldades. Não que não consiga manter a vida e a casa organizada, mas é sempre com muito trabalho e esforço.

Já escrevi aqui algumas dicas para pessoas que como eu não são organizadas desde o berço (Não sou uma pessoa organizada) com dicas para ajudar nessa tarefa. Como disse no post anterior para mim a organização é uma tentativa constante, e a cada ano noto algumas diferenças. Há coisas que já estão bem consolidadas, outras ainda preciso trabalhar. 

O que pode te atrapalhar a ser organizada

Perfeição: Muitas pessoas acham que ser organizado é ser perfeito, e estão enganados. A perfeição só vai atrapalhar, vira obsessão. Ter uma vida e casa organizada não significa ter tudo impecável, imaculado. 

Excesso: Ter coisas demais, tarefas demais, horários muito preenchidos, tudo o que for em excesso (até mesmo o zelo) pode atrapalhar a organização. 

Cobrança: Ter alguém ou você mesma cobrando resultados e produtividade pode fazer com que você não veja os pequenos avanços que tem dado. 

Expectativas: Imaginar um cenário em que você é a “Martha Stewart”  pode gerar frustração. Não conhece a Martha? Não faz mal, só queria dizer que se imaginar sendo uma pessoa ideal e criar expectativas muito altas faz com que a gente desanime diante da primeira pilha de roupa acumulada. 

O que pode te ajudar a ser organizada

Objetivos : Algo realista e adaptado à sua realidade. Se trabalha fora, se tem filhos, o tamanho da casa, estilo de vida… Seja como for, trace pelo menos um objetivo. Pode ser algo simples para começar, tipo: manter a lavanderia em dia (hahaha, para alguns não é nada simples), preparar o cardápio semanal, enfim, o que achar que será mais útil e que você tem condições de realizar. Uma vez cumprido o desafio, passe para outro, como nos joguinhos eletrônicos. 

Produtividade: As pessoas não são iguais. Cada um tem suas horas de maior energia onde conseguem ser mais produtivas. Identifique isso em você e mande bala na melhor hora do dia para você. 

Incentivos: Quando conseguir organizar algo tire uma foto para servir de inspiração no futuro. Se fizer parte de algum grupo nas redes sociais relacionado com o assunto, compartilhe com os participantes o que conseguiu alcançar, peça sugestões práticas, fale de seus desafios para alguém que possa dar algum apoio. 

Flexibilidade: A rotina é nossa amiga mas a flexibilidade nos torna ainda mais produtivas. Se não der para cumprir o planejado para hoje, seja flexível e improvise uma nova atividade. Assim que possível, retome a rotina. 

Particularmente esse ano para mim vai ter algumas mudanças boas rumo à organização que ao meu ver não é um fim, mas um processo. Lembrando um citação popular que diz que:

o que importa não é o destino, mas sim a jornada. 

Abraços, 

{Renata Marques}