Como ser mais produtiva

Uma queixa muito comum é a de não terminar algo que se começou, de não ter tempo para fazer todas as atividades que gostaria, de não conseguir manter a casa minimamente em ordem e não ser produtiva. A sensação de quem passa por isso é como se tivesse algum “deficit de atenção”. 

Normalmente não terminamos o que começamos quando não temos algum objetivo, um foco ou quando  aquilo que estamos fazendo não nos interessa, simplesmente não gostamos e passamos adiante. 

Quando não temos um planejamento em mente praticamente tudo nos distrai, ou como se diz na sabedoria popular, se não sabemos para onde ir qualquer caminho serve. 

Diferença entre ser produtiva e ser ocupada

Imagine a cena: A pessoa precisa passar a roupa, vai pegar o ferro e vê que a planta está seca, vai no cozinha pegar uma jarra de água e lembra que não levou o lixo pra fora, vai  levar o lixo pra fora e vê que o chinelo precisa ser lavado, quando vai lavar o chinelo repara que o gato está sem ração, abre o armário para pegar a ração do gato e observa que acabou a farinha, vai buscar o caderninho para anotar na lista e lembra que uma amiga pediu a receita de um bolo, liga pra amiga e ficam colocando a conversa em dia (será que passou a receita do bolo?), olha no relógio e se assusta com a hora porque tem que ir buscar o filho na escola, vai trocar de roupa e finalmente se lembra que não tem a roupa passada!

Repare que a pessoa ficou ocupada bastante tempo, pode até estar cansada mas não cumpriu nenhum objetivo, sua produção provavelmente foi zero. 

Fazer somente o que se gosta?

Acha que é possível ser produtiva fazendo apenas o que gosta? Talvez tenhamos sido ensinados assim, mas acho que mais importante do que fazer aquilo que gosta é gostar daquilo que faz! Isso porque algumas coisas simplesmente vão fazer parte das nossas tarefas, gostando delas ou não, mas se eu focar no objetivo de ser produtiva e conseguir antecipar mentalmente o resultado final então o que não gosto é apenas parte do processo e não o todo, torna a tarefa muito mais leve. Quem gosta de ir na praia vai mesmo que tenha que passar por um terrível trânsito em um dia de verão. 

Como ser produtivaCanalize suas energias

Todos temos 24 horas, mas algumas pessoas produzem infinitamente mais que outras e ainda conseguem ter lazer e descanso. Como é possível?! Será magia, miragem, milagre ou será mistério? (Lembram dessa música da Fafá?). 

Simplesmente as pessoa mais produtivas canalizam suas energias para as tarefas e não tentando evitar as mesmas. Comece pela tarefa mais complicada para você, enquanto suas forças (física e mental) estão am alta. Guarde o mais prazeroso pro final, assim além de conseguir ser produtiva será uma recompensa pelo esforço.

A melhor forma de terminar o que se começou

Crie um plano de trabalho, assim como teria um se o seu trabalho fosse em um escritório, fábrica, escola, ou qualquer outro local. Alguns textos aqui do blog podem te ajudar:

Se acha que o seu problema é falta de tempo leia nossas dicas para otimizar seu tempo: 

Se o que te falta é organização de rotina leia:

Se a bagunça tomou conta leia: 

No mais, precisando estamos aqui, é só comentar que a gente responde assim que puder. 

Abraços, 

{Renata Marques}

 

Desinfetante caseiro com vinagre

Desde que comecei a incluir o vinagre na limpeza da minha casa tenho compartilhado aqui e no nosso canal no You Tube sobre o assunto. O uso do vinagre é algo que foi sendo incluído aos poucos, e hoje em dia já me acostumei a ele em vários tipos de limpeza, vai de limpar o chão e lavar a roupa até passar no cabelo, e hoje vou mostrar como usá-lo como desinfetante caseiro

O vinagre que costumo utilizar nas limpezas é o vinagre de álcool, ele é transparente como água. 

Eu já me acostumei ao cheiro do vinagre e sei que ele some em pouco tempo. Mas como tem pessoas que não gostam de vez em quando acrescento um cheirinho com cascas de cítricos no meu desinfetante caseiro como você pode ver nos links a seguir:

Outra opção é colocar óleo essencial no vinagre de álcool, algumas gotinhas bastam. Alguns óleos essenciais são também bactericidas e fungicidas, o que potencializa o poder desinfetante do vinagre. 

Basicamente utilizo uma parte de vinagre (puro ou aromatizado) com uma parte de água. Para desinfetar aplico e deixo agir por alguns minutos, depois é só enxaguar ou passar o esfregão (ou pano) para tirar o excesso (leia aqui sobre o que é desinfetar). Caso a superfície esteja gordurosa acrescento umas gotinhas de detergente neutro. É simples, natural e ecológico. 

Vídeo do desinfetante caseiro:

ATENÇÃO: Não é recomendado usar vinagre na limpeza de superfícies como o mármore ou granito.

Abraços, 

Renata Marques

Diferença entre limpar, desinfetar e esterilizar

As palavras limpar, desinfetar e esterilizar são confundidas constantemente. Quando uma dona de casa fala uma dessas palavras pensa no objetivo de higienizar objetos, alimentos e superfícies como uma maneira de evitar doenças e outros riscos à saúde e també de deixar a casa com cheiro e aparência agradável. 

Desfazendo a confusão

De uma forma leiga podemos dizer que:

A limpeza retira a sujeira visível, superficial,  o que reduz bastante a presença de microorganismos.

A desinfecção elimina a maioria dos microoganismos. Há o nível baixo, médio e alto de desinfecção, depende do método utilizado. Veja neste texto mais informações: Quais os tipos de desinfecção.

A esterilização elimina todos os microorganismos, significa que naquele local não tem nenhum esporo, bactéria ou fungo na superfície que foi esterilizada. 

Fazer a limpeza envolve alguma ação física como esfregar, escovar, varrer, espanar…  e pode envolver alguma ação química como quando usamos sabão e outros produtos de limpeza.

Depois de limpar podemos desinfetar ou esterilizar. Normalmente em nossa casa o que fazemos é desinfetar. Podemos usar desinfetantes comerciais ou mesmo caseiros como o vinagre e o bicarbonato. 

É importante entendermos os conceitos para não fazermos confusão.

Exemplos do nosso dia a dia

Varrer a casa, lavar a louça e tirar o pó é limpar. 

Passar álcool no vaso sanitário, lavar o chão com água sanitária ou colocar as verduras de molho em água com vinagre é desinfetar. 

Ferver o vidro de conserva na panela de pressão é esterilizar. 

Não conseguimos esterilizar todos os objetos e ambientes da casa e sinceramente, a não ser que haja alguém com problemas de imunidade ou algum risco de contaminação (alguma pessoa ou animal com doença infecto contagiosa) não vejo necessidade. 

Você está desinfetando ou se intoxicando?

Vamos ter atenção para não fazer da nossa busca pela limpeza uma obsessão, e para não substituir uma alegada “sujeira” por produtos químicos que apesar de limpar e desinfetar podem até ser tóxicos para nossa família e ambiente. 

Acredito que existem ótimos produtos que nos ajudam na luta diária contra os germes e bactérias, e acho que temos que os usar com precaução, respeitando as doses e as indicações do rótulo no caso dos produtos comerciais.

Nesse vídeo dou minha opinião pessoal sobre o assunto produtos de limpeza caseiros x produtos comerciais para quem se interessar: 

 Link do vídeo: https://youtu.be/NOLQ3NutmWM

Abraços,

{Renata Marques}

 

 

Prazo de validade x desperdício de alimentos

O prazo de validade dos produtos em geral surgiu no Brasil como uma conquista dos direitos do consumidor, essa lei foi feita em algum momento entre as décadas de 80 e 90 (se alguém souber pode deixar um comentário). Antes disso o produto poderia ou não ter alguma indicação nesse sentido, no geral não tinha, era tudo no olho mesmo. Me lembro bem de quando era criança ter o cuidado de levar para minha mãe provar qualquer coisa que eu fosse comer e perguntar se estava bom. 

Desde então se tornou um hábito das donas de casa observarem na embalagem ou na etiqueta qual era o prazo de validade dos produtos. Com o hábito de consultar os alimentos veio também o de consultar produtos de higiene, limpeza, medicamentos, tintas, canetas, enfim, uma série de outros produtos também passaram a estimar um prazo de validade. 

Como funciona o prazo de validade

O prazo de validade envolve pesquisas que dão uma margem de segurança para o consumo ou uso de determinado produto. Garantindo que no período indicado é seguro consumir ou é eficaz seu uso. 

Não podemos esquecer que o prazo de validade só é realmente válido se o produto for armazenado e transportado em determinadas condições (observar a exposição à luz, calor e umidade). 

É algo importante e acredito que diminuiu e muito o risco de intoxicações alimentares ou por medicamentos. Mas esse hábito fez com que deixássemos de lado nossos sentidos (visão, olfato…) e também fez com que aumentasse o desperdício alimentar

Joga fora no lixo

Quem nunca jogou no lixo um produto sem verificar suas reais condições de consumo apenas por ter o prazo de validade vencido? 

Aqui em Portugal existe dois tipos de prazo de validade. O que é para ser consumido antes de tal data e o que deve ser consumido preferencialmente até tal data. No primeiro caso não tem jeito, além daquela data realmente não é seguro, e esse tipo de prazo é para alimentos frescos como carne, leite… ou feitos no dia como os pães, bolos… se não respeitarmos corremos o risco de uma intoxicação. No caso de vir escrito “preferencialmente” significa que se passar um pouco dessa data até podemos consumir bastando observar sua aparência, geralmente são alimentos como massas, cereais, café…  talvez com alguma alteração na textura e sabor, mas sem risco de intoxicação. 

Outra coisa que aconteceu com a obsessão do prazo de validade é que as pessoas passaram a desperdiçar  as sobras dos alimentos feitos em casa (veja aqui dicas para reaproveitar sobras). Mesmo com a facillidade de termos congeladores e freezers em casa desperdiçamos mais alimentos que antes de existir a geladeira! O ideal é que haja organização para não haver sobras, mas se houver, podemos congelar a maioria dos  alimentos confeccionados, até mesmo bolos e pães.  Se quiser pode consultar essa dica de como congelar alimentos corretamente do blog Receitas de Minuto.

E você, como gere essa questão do prazo de validade dos alimentos em sua casa?

{Por: Renata Marques}